Buscar
  • joaomarcos845

Desconto incentiva empresa a negociar com a União.

PLR, primeiro tema incluído na transação do contencioso, é discutido por bancos e grandes empresas.




















Descontos de até 50% sobre o valor principal, incluindo multas e juros, e precedentes desfavoráveis podem levar o contribuinte a desistir de processos em que discutem cobranças de contribuição previdenciária sobre programas de participação nos lucros e resultados (PLR) e negociar com a Fazenda Nacional. O tema é o primeiro a ser tratado por meio da chamada “transação tributária do contencioso”.


O programa de parcelamento permite a pessoas físicas e jurídicas encerrarem litígios com a União. Os descontos oferecidos, segundo especialistas, chamam a atenção e devem ser levados em conta pelas empresas, além da jurisprudência. A adesão começa em 1º de junho e vai até o fim de agosto.


As empresas são autuadas quando a Receita Federal considera que não cumpriram os requisitos para isentar o PLR da cobrança de contribuição previdenciária, previstos na Lei nº 10.101, de 2000. Algumas dessas condições foram flexibilizadas pela Lei nº 14.020, de 2020. A tese é discutida por bancos e grandes empresas e há casos com valores bilionários.


Desde 2015, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) baixou mais de 320 acórdãos sobre o assunto — a maioria contrário às empresas — e muitos desses devem ir para a Justiça. Segundo tributaristas, porém, muitos casos foram resolvidos com o voto de qualidade (desempate pelo presidente da turma, representante da Fazenda), o que mudou em 2020. Além disso, tenta-se a aplicação retroativa da Lei nº 14.020.


De acordo com tributaristas a lei de 2020 tem caráter retroativo e o fim do voto de qualidade é positivo para as ações administrativas, já que agora os empates favorecem os contribuintes. Por conseguinte, o tema PLR foi uma escolha muito inteligente da Receita Federal e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN).


Compreende-se também que a adesão vale para empresas que querem ter certeza do resultado, o que não é totalmente possível no contencioso administrativo e judicial para quem usou planos de PLR que claramente não cumprem os requisitos da Receita. A transação do contencioso inclui duas teses, o PLR de administradores e o de empregados e a jurisprudência delas é diferente. No caso dos administradores, a jurisprudência majoritária é desfavorável. No Carf, a maioria é pelo voto de qualidade uma vez que o Judiciário julga ser desfavorável.


No caso da PLR de empregados, depende de cada caso e das características do plano — se foi assinando com antecedência, entre outros. Mas no Judiciário os precedentes têm sido favoráveis a depender de quando há negociação sobre o plano. Vale destacar que é importante observar que a adesão implica discussões futuras sobre os pontos da tese que não forem objeto de alteração legislativa ou decisões em repetitivo ou repercussão geral pois a empresa precisa se comprometer e estudar sua chance de êxito.

______________________________________________________________________________

Em caso de dúvidas, estamos à disposição para atendê-lo.

Conte conosco!

Atenciosamente.

Valor do Brasil.

0 visualização0 comentário
whats.png